sábado, 17 de junho de 2017

JOSÉ DO TELHADO - NOVA ABORDAGEM

Já trouxe a este espaço o tema deste bandoleiro português, para o qual fiz, em tempos, um trabalho de uma página semanal para um jornal da capital.
Já alterei os enquadramentos da série, não sei quantas vezes, impondo-se esse exercício de paciência através da apetência por novos formatos.
Desta vez, lá vem o eterno A5 - entre duas e cinco vinhetas por páginas - adoptando os desenhos publicados no semanário, enquadrando-os de forma a não incompatibilizar, o cerne do que então fiz, com a adopção de novas vinhetas.

O desenho de traço espontâneo mantive-o, tanto mais que, por ser do meu âmago, deixava para o limite o acabamento das pranchas semanais, o que não se coadunava com mais perfeição. Hoje podia melhorar o aspecto gráfico, mas acho graça a esta forma de desenvolvimento plástico.

Voltei para actualizar este "post", colocando aqui o desenho aguarelado com o auto-retrato do autor (que sou eu), baseado numa fotografia dessa pose marcial. Como facilmente se verifica, esta pintura serviu de base para a gravura do José do Telhado no projecto de capa acima exposto.
Trata-se de um desenho com alguns anos, quando ainda tinha outros óculos, o cabelo mais escuro e, obviamente, menos idade.
A primeira imagem desta nova abordagem - e única como vinheta inteira de página - não pertence à edição original deste trabalho, mas que encaixa neste como abertura.

Sem comentários:

Enviar um comentário